Eixos Temáticos

Tema Central

Narrativas (auto)biográficas: conhecimentos, experiências e sentidos

EIXO 1. DIMENSÕES EPISTEMOLÓGICAS E METODOLÓGICAS DA PESQUISA (AUTO)BIOGRÁFICA

Trajetórias e desdobramentos da abordagem (auto)biográfica nas ciências sociais, humanas e no campo educacional. Reflexões epistemológicas e questões teórico-metodológicas. Diversidade conceitual e de fontes das pesquisas (auto)biográficas: potencialidades e desafios. Análises/interpretações das fontes.

EIXO 2. ESPAÇOS FORMATIVOS, MEMÓRIAS E NARRATIVAS

Políticas e práticas de formação, memória e história da profissão docente. Narrativas de si como dispositivo de pesquisa-formação. Fazer docente e constituição do ethos profissional. Processos de socialização e trajetórias de formação. Memórias, narrativas, subjetividade e experiências em espaços educativos formais ou não formais.

EIXO 3. INFÂNCIAS, NARRATIVAS E DIÁLOGOS INTERGERACIONAIS

Pesquisa (auto)biográfica com crianças. Narrativas da/sobre/para a infância. Perspectivas intergeracionais. História da infância, da cultura escrita e da educação. Do ethos infantil ao ethos escolar, inclusão, sexualidade, ludicidade, acompanhamento e reflexividade. Universo (auto)biográfico infantil.

EIXO 4. (AUTO)BIOGRAFIAS, NARRATIVAS DIGITAIS, HISTÓRIA, LITERATURA E ARTES

(Auto)biografias e escritas da história. Narrativas digitais, webgrafias, imagens e sons. Fronteiras e aproximações entre história, literatura e artes. O ato de biografar. Biógrafos: práticas e éticas. (Auto)biografia, ficção e censura. Possibilidades de Egohistoria. Egodocumentos nas escritas da história. Preservação e descarte de documentos privados. Políticas de preservação da memória.

EIXO 5. ESCRITA DE SI, RESISTÊNCIA E EMPODERAMENTO

A escrita como poder de ordenar o mundo, de atribuir-lhe sentido, de divulgar uma visão autorizada de si e do outro. Escritas secretas, negadas, censuradas. Escrita de si como forma de resistência. Corpo, saúde e cuidados de si. A escrita como ferramenta de conscientização, de elaboração de uma visão contra-hegemônica. A escrita na formação e no desenvolvimento dos processos de empoderamento. Dimensão performática da escrita (auto)biográfica na construção de uma práxis pessoal e coletiva de resistência.

EIXO 6. HISTÓRIAS DE VIDA, GÊNERO E DIVERSIDADES

Relações entre os indivíduos e dimensão temporal de sua experiência e existência. Gênero, imagens e representações do feminino e do masculino. Superfícies discursivas da construção/reiteração de papeis e representações. Entrelaçamento das esferas privada e familiar com a esfera profissional e política. Diferentes trajetórias das culturas do feminino e do masculino. Redes de sociabilidade construídas em histórias de vida.

Entidades Promotoras

Organização| Co-Organização|Financiamento|Apoio Institucional|Apoio Local
  • Biograph logo